Paulista é destaque no Diário de Pernambuco deste domingo com matéria sobre o Nazismo em Pernambuco:

Os alemães com cargos de direção vindos para tabalhar na Fábrica dos Lundgren passaram a morar no
Alto do Sumaré, em Paulista. Tratava´se de um residencial formado por 11 casas. O local está atualmente preservado por uma lei municipal que trata de imóveis especiais de preservação. As casas que serviram de moradia para os supostos nazistas passaram a ser alugadas pela CTP e estão ocupadas por ex-operários da fábrica e outros inquilinos.
Segundo o historiador e Coordenador do Movimento Pró-Museu de Paulista, Ricardo Andrade, a Prefeitura não vem fazendo o trabalho de conservação nas residências como exige a legislação municipal. "Não há calçamento na rua onde os imóveis estão localizados", criticou. Ele revela, ainda, que os alemães vieram trabalhar na fábrica dos Lundgren porque não havia na época mão de obra especializada no estado para gerenciar e ensinar a usar um maquinário de última geração.
Já a Casa Grande da família Lundgren, que servia de ponto de apoio para os supostos espiões alemães, está tombada pelo patrimônio estadual. O pessoal do Pró-Museu defende que o espaço seja transaformado num museu para abrigar a rica história da cidade.

Postado por FRANCISCO MARQUES DA SILVA JUNIOR às 16:27

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário